Sobre Percutir

No momento em que você “bate” em algo com a intenção de CRIAR SOM, você está tocando percussão.

As várias maneiras de percutir podem estar presentes em qualquer momento do COTIDIANO, e ganham energia nas salas de concerto, shows, rituais, festas e ruas, nos mais variados povos, países e culturas do mundo.

Como percussionista, busco atuar em diversas áreas e momentos da criatividade percussiva. Seja a partir de uma partitura tradicional, gráfica, de composições ou arranjos, de improvisos, de ritmos tradicionais, variados ou criados, de diferentes ÉPOCAS E LUGARES.

 
 
 

Sobre ensinar

A música não é um objeto de estudo cristalizado, com regras definitivas.

Ela é um fenômeno que pertence a culturas e meios sociais em constante TRANSFORMAÇÃO.

Portanto, o ensino da música deve acompanhar esse processo, considerando as várias maneiras de aprender a partir dos TIPOS DE INTELIGÊNCIA, do acesso a materiais e instrumentos, da cultura e identidade musical que cada estudante tem. É importante estar atento aos diversos modos de ESCUTA E COMPREENSÃO DA MÚSICA HOJE, e à maneira como ela é acolhida nos diferentes territórios e meios sociais. 

Como EDUCADOR DA MÚSICA, busco sempre APRENDER a partir das transformações que ela tem e estar a par das várias maneiras da música ser difundida na sociedade.

Procuro respeitar a história musical que CADA ESTUDANTE CARREGA e trabalhar a partir dessa história.

Considerando que a música é muitas vezes coletiva, trago a PARCERIA e o COMPARTILHAMENTO de saberes como dinâmica de ensino. Além disso, um dos focos do aprendizado em minhas aulas é a criação de diversas atividades que possibilitam um DIÁLOGO entre TEORIA e PRÁTICA.

 
 

Sobre Territórios Musicais

Existem vários territórios possíveis: os FÍSICOS como o nosso bairro, cidade, país, mas também os ideológicos, os territórios da estética, dos gêneros musicais, da cultura popular, da nossa própria formação ou memória  musical.

Ter consciência dos LIMITES desses territórios na música é parte da nossa responsabilidade ao nos tornarmos percussionistas, podendo POTENCIALIZAR nossos próprios territórios, e com respeito à INDEPENDÊNCIA de cada um, combiná-los como parte de um processo criativo. 

Sou um percussionista que pertence a diversos territórios musicais, como a música de câmara, os grupos de percussão, a música contemporânea, a música popular brasileira, a percussão corporal, a dança. COMBINAR esses territórios como parte da minha identidade musical pode potencializar criações. 

Sobre Multilinguagens

É possível pensar a música como um fenômeno de vibrações que atravessam e são percebidas pelo nosso corpo como UM TODO e que integra OUTRAS PERCEPÇÕES para além da auditiva.

Meu trabalho como percussionista pauta a tentativa de ATRAVESSAR os limites da música e trazer a sua compreensão como um fenômeno de percepções integradas.

 

Nesse sentido, minha busca é que as linguagens sejam carregadas pelo MESMO GESTO - quanto menos houver separação entre elas, melhor - ainda considerando as diversas formas de relação entre tais linguagens, que podem se complementar, se POTENCIALIZAR, contrapor, entrar em CONFLITOS

Sobre Rítmicas

Ao distribuirmos SONS E SILÊNCIOS nos diversos espaços de tempo, desde os menores instantes aos maiores ciclos dos corpos celestes, CRIAMOS o ritmo. 

O ritmo é uma das matérias primas da cultura popular, o SÍMBOLO social, artístico, religioso de um POVO, o cerne dos gêneros musicais e de suas variações e transformações.

Sou pesquisador de diversas manifestações do ritmo, seja através da musicologia, com a manipulação de métricas, ciclos, quiálteras, polirritmias, ou através da compreensão de culturas e construção social de pessoas e povos. 

 
 

Sobre Herí Brandino

Herí Brandino também atua e atuou nos grupos de música contemporânea: Percorso Ensemble, Camerata Aberta, Ensemble Música Nova, Camerata Latino-Americana e Grupo PIAP, entre outros.

 

Gravou vários CDs, entre eles estão: Baqte Ensemble; A música de Gilberto Mendes com o Ensemble Música Nova - os dois indicados ao prêmio “Bravo!”- Música Plural do Percorso Ensemble; Sobreluz e Espelho D’Água da Camerata Aberta, este último vencedor do prêmio “Bravo!”.  

Fez apresentações artísticas e palestras no Encontro internacional  de Percussão da EMESP/UNESP, Encontro internacional de percussionistas do Conservatório de Tatui e II congresso de percussão Brasileira, em Minas Gerais.

 

Foi convidado como percussionista de diversas edições dos festivais Música Nova, do Música de Agora, BIMESP, entre outros. Realizou apresentações por diferentes lugares da Suíça, por meio do Jughendorchester Festival; em Bruxelas e Herzele pelo Europalia International Arts Festival; em Amsterdã pelo Festival Terra Brasilis e em Montreal.

Grupos e Instituições de ensino que fazem parte da carreira de Herí Brandino

ENSINO

EMESP – Escola de Música do Estado de São Paulo (professor atual) 

emesp.org.br/herivelto-brandino


 

Faculdade Santa Marcelina: Pós Graduação em percussão Brasileira (professor atual)

santamarcelina.org.br/educacao/fasm_unidade_curso.asp?idCurso=443&idUnidade=29

 

UNESP: bacharelado em percussão (professor entre 2014 e 2016)

ia.unesp.br

 

Faculdade Cantareira (professor entre 2014 e 2020)

cantareira.br

PERFORMANCE

Percorso Ensemble (percussionista atual)

percorsoensemble.com.br

 

Grupo contemporâneo da EMESP (coordenador atual)

facebook.com/Grupo-Contempor%C3%A2neo-EMESP-104108268427468

 

Grupo PIAP (co-diretor entre 2014 e 2016)

grupopiap.wixsite.com/piap

 

Camerata aberta (percussionista entre 2010 e 2019)

camerataaberta.wordpress.com

Contatos

Contato para aulas particulares ou em grupo, workshops, parcerias, críticas e conversas
 
heri.brandino@gmail.com
        11.985775040
IMG_8090.jpg